Cadernos de ViagemTwo Feet on the Ground

Formentera. No pasa nada. Y todo sigue.

formentera

Em Formentera, há praias de sonho, mar azul turquesa, águas amenas e areia branca. Há sol, calor e boa comida. Há tranquilidade e descontração. Há música, xiringuitos e diversão. Há torres defensivas, faróis, enseadas e salinas. Há finais de tarde e pores do sol incomparáveis. Há ares de Mediterrâneo e calor de África. Em Formentera – a mais pequena das ilhas Baleares – há tudo. Depois de visitar a ilha pela primeira vez, a única coisa que não há, é verão sem Formentera.

Longe da confusão Ibiza, a tranquilidade de Formentera fica, afinal, ali tão perto. Mais precisamente a 30 minutos de barco encontramos o paraíso do Mediterrâneo.

Benvinidos a Formentera!

Talvez por ser a única das Ilhas Baleares onde não é possível chegar de avião, Formentera vive a um ritmo diferente das outras ilhas. Um estado de quietudade que é possível sentir no momento em que se chega à mais pequena das Ilhas Baleares. La Savina, no extremo norte da ilha, é o porto de desembarque de quem chega e, mais tarde, de quem parte. Será que alguma vez deixamos Formentera? O que, outrora, começou por ser um pequeno porto de pesca para as embarcações de pescadores locais é, hoje, um porto estratégico para Formentera. São inúmeros os barcos de recreio, de pesca e de turismo que ali param, especialmente no verão. La Savina fica a 3 km de Sant Francesc, a capital da ilha, e é um ponto imprescindível para o dia-a-dia da ilha. É o único ponto de entrada passageiros e mercadorias de Formentera – a não ser que chegues de barco particular. Está na altura de sair de La Savina e rumar ao melhor de Formentera: as praias.

A praia Ses Illetes é, provavelmente, a mais emblemática da ilha. Fica situada numa extensa língua de areia na parte norte de Formentera, dentro do Parque Natural Ses Salines de Eivissa e Formentera. O seu nome vem das pequenas ilhotas que se encontram ao longo deste trecho de costa: Illa de Tramuntana, Illa des Forn, Illa des Conil. As suas águas calmas, rasas e cristalinas, juntamente com a areia branca e fina (e até, por vezes, cor-de-rosa) e as ilhotas ao fundo, tornam esta praia um verdadeiro paraíso. Especialmente concorrida no meses de verão, basta caminhar em direção à ponta da península para encontrar uma praia (bem) mais deserta.

É precisamente na ponta da língua, do outro lado do mar, fica Espalmador, uma das melhores praias de Formentera. Quando a maré está vazia, é possível atrevessar até lá a pé desde a praia Las Illetes – há que ter cuidado com as correntes. A alternativa é apanhar um barco no porto La Savina. Já do lado oposto da língua de areira, a um curta distância a pé, fica a praia Llevant, muito menos frequentada.

Também em Ses Illetes, logo na entrada da praia, que fica um dos mais emblemáticos bares de praia de Formentera: o El Pirata. A paisagem convida a uma pausa para o almoço ou para um final de tarde regado bebidas frescas, boa música e um ambiente descontraído.

O verdadeiro tesouro das Baleares encontra-se no Parque Natural Ses Salines de Eivissa e Formentera, uma área de grande valor cultural, ecológico e paisagístico. Estende-se do sul de Ibiza até ao norte de Formentera e é uma zona com uma erorme biodiversidade, uma fauna e flora imensas e uma beleza natural muito característica. Há atividades, para todos, que permitem explorar o parque, como caminhadas, passeios de bicicleta, e até observação de aves – como flamingos. Pelo caminho, dezenas de pitiusas, as lagartixas mais famosas das Baleares, rastejam pelo chão quente de terra batida. Estes anfíbios rastejantes dão também nome às Ilhas Baleares, e Formentera é mais pequena das Pitiusas. De notar que a entrada no parque natural é controlada e é cobrado um valor de acesso, caso este seja feito de carro ou mota.

O parque encontra-se a uma curta distância do porto e assim que entramos na área do parque, a caminho das praias de de Ses Illetes e Llevant, podemos ver as imensiadão das suas salinas. Afinal, a indústria tradicional de sal da região foi, em tempos, uma das principal fontes de rendimento dos locais. Hoje, é uma indústria que continua a ser muito relevante para Formentera, já que o sal oriundo das salinas de Formentera – e Ibiza – tem caracteríscas únicas e uma qualidade de excelência.

Outro ativo de grande valor para Formentera encontra-se no fundo do mar e é a principal razão para as suas águas cristalinas. A cor azul turquesa que predomina na paisagem deve-se aos imensos prados marinhos de Posidonia Oceânica, uma planta endémica do Mar Mediterâneo, de grande valor ecológico. Esta planta desempenha um papel fundamental na conservação ambiental da região, funcionando como purificador natural, como uma das principais produtoras de oxigénio, e habitat natural de inúmeras espécies marinhas. O seu papel para o ecossistema marinho, e para o ambiente, é tão preponderante que, em 1999, foi declarada Património da Humanidade pela UNESCO. Para vê-la em toda a sua glória é só mergulhar nas águas paradísiacas de Formentera e descobrir a riqueza que esta planta traz ao Mediterrâneo.

De volta a terra, um dos passeios a não perder é o caminho de Es Brolls, que rodeia quase a totalidade da lagoa de água salgada de Estany Pudent. Este é um lugar único, entre La Savina e Es Pujols, onde é habitual observar flamingos, garças-reais e patos. Também por ali é possível observar o canal Sa Sequi, construído no século XIX para escoar às águas estagnadas da lagoa até ao mar. É mais um dos exemplos da riqueza histórica e cultural que se pode encontrar dentro de Ses Salines. Junto ao mar, as piscinas naturais que se formam entre as rochas, com o horizonte a perder de vista, são um dos locais a não perder.

Por falar em cultura, é também nesta região que encontramos uma das 5 torres de defesa de Formentera. A Torre de Sa Guardiola, localizada em s’Espalmador, foi a primeira a ser construída. A ela juntam-se a Torre de Punta Prima (Es Pujols), Torre des Pi des Catalá (Migjorn), Torre des Garroveret (Cap de Barbaria) e Torre de Sa Gavina (Cala Saona), todas elas localizadas em pontos estratégicos espalhados ao longo da costa. Erguidas no século XVIII, a par do vertiginoso penhasco natural de La Mola, constituíam o primeiro ponto de defesa contra os ataques de piratas.

Praia Cala Saona é, provavelmente, uma das melhores praias de Formentera. É uma praia pequena, mas com uma baía cénica e uma cor do mar incrível. A água é calma, pouco profunda e, claro, de mil tons azul turquesa. A sua principal atração são as altas estruturas de madeira, de aspeto frágil, que se encontram encravadas nas enconstas avermelhados da falésia. Ali encontram-se guardados dezenas de barcos de pescadores que contrastam com a outra dezena de iates e veleiros ancorados ao largo da baía. A caminho do topo de uma das encostas, o bar construído sob as estacas de madeiras frágil convida a um copo de final de tarde. O ambiente descontraído e a vista para o baía de Cala Saona fazem o resto.

Também no Parque Natural de Ses Salines fica a praia Es Cavall d’En Borràs. É a primeira praia do parque e uma das mais frequentadas de Formentera. É uma praia com um areal pequeno, mas que não desilude. Especialmente ao final dia, quando o sol se põe com Es Vedrà e Es Vedranell ao longe, a criar um cenário perfeito para desfrutar de um pôr-do-sol indescritível. Juntamente com os restantes ilhéus, as silhuetas morfológicas de Es Vedra e Vendranell fazem lembrar o dorso de um dragão adormecido. Depois do sol cair no horizonte, a noite começa. Afinal, o Beso Beach está mesmo ali ao lado. E como se pode ler no banco mais famoso de Formentera “no hay verano sin beso”.

A praia de Migjorn, a mais extensa de Formentera, com mais de 5km de extensão que ocupam quase toda a costa sul da ilha. Localizada entre os dois pontos mais extremos de Formentera – Cap De Barbaria, de um lado e La Mola, do outro – a sua natureza mais selvagem é o que a torna única. É composta por várias enseadas intercaladas por zonas rochosas e arenosas e, pela sua sua extensão, está dividida em diferentes partes: Mal Pas, Es Ca Marí, Es Racó Fondo, Es Codol Foradat, Es Valencians, Es Arenals e Es Copinar. Esta última é a que antecede a paradísiaca praia de Calò Des Mort, uma pequena praia de areia branca cercada por rochas cobertas por cabanas de pescadores que se erguem sob as falésias, e que no remonta para uma Formentera de outros tempos.

Em Formentera, todos os caminhos vão dar ao mar, mas não é apenas praias de areia fina e água cristalina de que Formentera é feita. Em San Francisco Javier, a capital da ilha, há história, cultura e património. É uma pequena vila que preserva nas suas ruas o espírito e o charme típicos do Mediterrâneo, ao mesmo tempo que nos apaixona pelo seu centro histórico. Na praça principal encontra-se a Església de Sant Francesc Xavier, uma igreja do século XVIII, que outrora foi uma fortaleza contra os ataques dos invasores e a Capilla de Sa Tanca Vella, a primeira a ser constuída na ilha. Mas o melhor é mesmo deixares-te ir à descoberta pelas ruas do centro histórico e aproveitar as pequenas boutiques e bancas de rua para fazer compras de roupa, artesanto, joelharia e decoração; ou desfrutar da boa gastronomia mediterrânica que se pode encontrar nos seus restaurantes.

Se queres ficar a conhecer melhor a história de Formentera, o Museo de Etnografía de Formentera é um local de paragem obrigatória. Formentera assistiu a uma forte transformação na segunda metade do século XX. De um estilo de vida rural, onde as principais fontes de sustento dos seus habitantes eram originárias da terra e do mar, a ilha passou a viver essencialmente do turismo. Este rápido crescimento levou a que muitas das suas tradições se fossem perdendo e a criação do museu etnográfico veio trazer um testemunho real de um tempo distante, mas que os seus habitantes não querem ver esquecido. O museu exibe uma série de utensílios que representam a cultura e contam a história do povo de Formentera ao longo dos séculos.

Outra forma de conhecer Formentera é por mar. Afinal, é ao largo da costa que conseguimos ter uma vista priveligiada, e diferemte, das suas baías, praias paradísiacas, penhascos acentuados e enconstas adornadas pelas suas torres de defesa, moinhos e faróis. Há muitas opções de escolha para passeio de barco em Formentera, que além de nos levar a conhecer a ilha através da sua costa, normalmente incluem outras atividades, como exploração de grutas e material de snorkeling ou stand up paddle .

Formentera é, de facto, uma ilha pequena, mas de uma grandeza natural e cultural imensas. Nos seus escassos 84 km2 de extensão, existem 32 rotas que atravesam a ilha e onde é possível desfrutar de um lado mais natural e genuína de Formentera, como também descobrir o seu imenso património, através das suas igrejas, moinhos, torres de desefa, faróis e outros tantos lugares de interesse arqueológico. Pelos seus caminhos rústicos e poeirentos é também possível distinguir os seus cheiros característicos, sempre presentes a acompanhar o passeio, ora a maresia, ora a zimbro e pinheiro.

Numa ilha tão pequena, onde o mar está sempre presente, os faróis fazem naturalmente parte da paisagem. É logo em La Savina que podemos observar o primeiro, o Faro de la Savina, situado nas rochas perto do porto. Segue-se o Faro de Cap de Barbaria, localizado num promontório árido e rochoso com o mesmo nome no ponto mais extremo da ilha. Formentera está repleta de grutas que podem ser visitadas por mar, mas é aqui, na paisagem desértica de Cap de Barbaria, que vais encontar uma pequena cavidade rochosa para descer até ao mar. La Cova Foradada é uma gruta natural, e meio inusitada, que é acessível atavés de uma escada que nos leva a uma Formentera na sua essência mais autêntica. Não muito longe do farol fica a torre Des Garroveret, uma das torres de defesa da ilha. Do alto da falésia, é difícil distinguir o ponto onde termina o céu e começa o mar. O farol mais famoso de Formentera, o Faro de la Mola, situa-se no lado oposto da ilha e está na altura de seguir até lá.

farol savina formentera

Já no ponto mais alto da ilha, a pequena aldeia de El Pilar de Mola, encontramos o Farol de la Mola, que nos faz recuar no tempo. Junto ao farol existe um monólito em homenagem ao escritor Jules Verne pela menção “ao pico mais alto de Formentera ” que faz no seu livro Héctor Servadac. La Mola é o ponto mais alto da ilha, curiosamente, com apenas 192 metros acima do nível do mar. A vista dos seus penhascos, com 120 metros de altura, é especialmente arrebatadora ao nascer do sol. Além da paisagem, a Igreja do Pilar de la Mola e o Molino de la Mola (Molí Vell de La Mola), respetivamente, a segunda igreja mais antiga e o mais antigo moinho de vento da ilha, são outros pontos de interesse da região mais oriental de Formentera. De maio a outubro, a aldeia mais pacata de Formentera, torna-se uma das principais atrações da ilha devido ao mercado de artesanato que ali acontece todas as quartas-feiras e domingos à tarde.

Na hora da despedida, Formentera presenteia-nos com um dos seus incomparáveis pores do sol. Ao mesmo tempo que o sol desaperece, a pouco e pouco, no horizonte de tons avermelhados, guardamos na memória o espírito selvagem e autêntico que perdura neste lugar. Afinal, Formentera tem mesmo tudo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.