Cadernos de ViagemTwo Feet on the Ground

COPE, viver sob a sombra da guerra

cope center, laos

No país mais intensamente bombardeado da história há uma organização que luta por dizimar os despojos de uma guerra das sombras. O COPE Visitor Centre, em Vientiane no Laos, é um lugar imperdível que nos conta um pouco da história do país e nos ajuda a entender a realidade em que vivem muitos dos seus habitantes.

Durante a Guerra do Vietname, o Laos foi o país mais fatigado pela guerra. O pequeno país a oeste do Vietname, que nem sequer estava envolvido nos confrontos, continua a ser considerado como o país mais bombardeado do mundo, tendo em conta sua dimensão. Os norte-americanos, com receio que a ameaça comunista se estende-se ao Laos, dizimaram o país. Uma guerra secreta que pretendia cortar com as rotas de abastecimento aos combatentes comunistas durante a Guerra do Vietname. Estima-se tenham sido lançadas 260 milhões de bombas durante os ataques aéreos dos EUA ao Laos, entre 1964 e 1973.

Acredita-se que um terço dessas bombas nunca tenham explodido durante o período da guerra. Essas “bombies”, como são conhecidas pelos locais, continuam activas e prontas a detonar. Hoje, décadas depois da Guerra do Vietname ter terminado, esta continua a estar fortemente presente no Laos. Há ainda cerca de 80 milhões de bombas que não explodiram. Resquícios letais com mais de 40 anos de uma guerra secreta contra os comunistas. Desde o fim da guerra, as bombas “esquecidas” causaram mais de 12.000 mortes, na maioria crianças. Todos os anos, este material explosivo não detonado (UXO) continua a matar e a ferir muitas pessoas, especialmente nas áreas mais rurais do Laos.

Desde então têm vindo a ser feitos inúmeros esforços no sentido de tentar minimizar o desastre causado pelos resquícios de bombas de fragmentação perdidos. Muitas organizações tentam ajudar o Laos a prosseguir o seu caminho e a encontrar um futuro menos incerto para o seu povo através de campanhas de alerta, prevenção e educação das populações, a campanhas de limpeza de áreas afetadas. É aqui que entra o COPE.

O COPE (Cooperative Orthotic and Prosthetic Enterprise) é uma Organização Não Governamental dedicada à construção de próteses e órgãos artificias para as vítimas destas bombas “esquecidas”. Em parceria com o Centro de Reabilitação Médica (CMR), o COPE procura garantir que as pessoas com deficiência física têm um acesso mais facilitado e a baixo custo a serviços de reabilitação. Por todo o país, a instituição trabalha junto das comunidades locais para as sensibilizar e educar, e ajuda a cuidar das vítimas dessas bombas através da disponibilização de próteses e serviços de reabilitação. Apesar dos esforços para educar as crianças nas escolas sobre os riscos desses explosivos, ainda ocorrem incidentes fatais.

A visita a este centro é tão chocante quanto informativa. O COPE Visitor Centre é uma exibição impressionante que nos transporta para esta dura realidade – tão longínqua quanto a distância física que nos separa. À entrada, o sinal “COPE” criado a partir de próteses anuncia que a visita não é animadora. No interior, uma enorme escultura feita de UXO pendurada marca o compasso do resto da visita. É incrível como um espaço tão pequeno carrega uma carga emocional tão grande. As fotografias e histórias guiam a visita e vão colocando nomes nos rostos das vítimas, tornando tudo ainda mai real. São apenas algumas dezenas de histórias que representam as milhares de do vítimas da “shadow war” – como ficara conhecida a intervenção dos EUA no Laos. É uma visita que dificilmente deixará alguém indiferente!

ANTES DE VISITAR

O COPE fica localizado dentro do Center of Medical Rehabilitation, na Khouvieng Road, em Vientiane. A entrada no centro é grátis, mas doações são muito bem aceites. Existe também uma pequena loja à entrada, onde o valor dos artigos contribui também para esta causa. Se estás a pensar visitar o Laos, não deixes Vientiane e o COPE fora do teu roteiro. Visita o site oficial do COPE para saber mais informações.

► LER: Vientiane, a tranquila capital do Laos


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.