Diário de BordoTwo Feet on the Ground

Costa Vicentina: de Lisboa a Sagres (III)

O dia começa cedo e aproveitamos a corrida matinal para (re)descrobrir Vila Nova de Mil Fontes. Seguimos pelas ruas da vila até perto do farol e passamos por todos os pontos de interesse da vila. Ainda que o verdadeiro ponto de interesse de Vila Nova de Mil Fontes seja a própria vila e as praias em redor, a Igreja de Nossa Senhora da Graça, a Capela de São Sebastião e o Forte de São Clemente são pontos a não perder.

A vila tem uma grande ligação à história da aviação portuguesa, pois foi dali perto que partiu o avião que fez a primeira travessia área entre Portugal e Macau. É por essa razão que, em homenagem aos aviadores e ao seu feito, se encontra erguido na Praça da Barbacã um monumento comemorativo. No miradouro da praça, que fica mesmo ao forte, a vista panorâmica para o rio Mira e Praia das Furnas é óptima. Vila Nova de Milfontes como vila costeira é, naturalmente, uma terra de pescadores, e conseguimos vê-los a caminho do seu dia de trabalho pelas águas do Mira.

Continuamos pela marginal que passa pela Praia da Franquia e pela Praia do Farol, as mais procuradas da vila – mas ainda vazias àquela hora-, e termina junto ao Farol de Milfontes. Antes de regressar ao hotel paramos na Mabi para tomar o pequeno-almoço e claro que não podiamos deixar de comer os melhores croissants da região. Apesar de ser uma gelataria, os croissants são também super famosos. Simples, mistos, com chocolate, com doce de ovo, o difícil é escolher. É um reforço para nos fazermos à estrada e continuar a descida pela costa vicentina.

Saímos de Vila Nova de Mil Fontes e seguimos pela ponte que atravessa o rio Mira em direção a uma das melhores praias de Portugal. A Praia das Furnas, do outro lado do rio, foi a vencedora do concurso Sete Maravilhas de Portugal na categoria praias de rio. A agitação vinda do mar encontra-se com as águas calmas do Mira e tornam esta praia muito peculiar. A água é transparente – mas fria -, o areal é extenso, de areia fina, e esta praia, fluvial e marítima, é uma das melhores da Costa Vicentina.

Fazemo-nos novamente à estrada e seguimos até à Praia de Almograve, a cerca de 15 minutos de Vila Nova de Mil Fontes. A cor escura das camadas negras de xisto e as suas arribas acidentadas fazem com que seja uma das mais procuradas da região de Odemira. A praia tem um extenso areal que se divide em duas zonas distintas: a de areia, junto às dunas a norte e ao parque de estacionamento e estrada principal, e a praia de rochas e arribas, a sul. Estacionamos junto à encosta sul e descemos até ao areal para aproveitar o sol do meio da manhã e os mergulhos no mar para refrescar.

Praia de Almograve

De regresso ao carro, seguimos para sul pela estrada de terra batida até aO Porto de Pesca da Lapa das Pombas. Este porto é um lugar absolutamente incrível e muito pouco conhecido – e ainda bem. No topo, pequenas casas de madeira são o local de armazenamento e local de convívio dos pescadores. As arribas escarpadas que descem até ao mar, repleto de rochas recortadas que formam pequenas piscinas naturais e que convidam ao mergulho. A descida para o mar é feita por uma rampa de cimento, onde pequenas embarcações balançam ao sabor do vento e das ondas do mar. Cada um deste rochedos tem um nome: Furna, Guincho, Conselho, Pedras Amarelas, Proa do Barco e Ponta da Barradeira. De formas peculiares, limitam e protegem o porto e servem como guia à entrada e saída dos barcos piscatórios. O cenário cinematográfico é complementado pela densa vegetação envolvente e pela pequena nascente de água doce. É um local que vale mesmo uma visita.

De regresso à vila de Almograve almoçamos no restaurante O Lavrador. Estrategicamente situado na rotunda, é uma casa simples e de ementa curta, mas não há nada que enganar: o peixe e o marisco fresco foram (quase) acabados de pescar. O sargo é a especialidade da casa, onde impera a simplicidade e frescura. De barriga cheia, seguimos rumo ao interior alentejano para explorar o que de melhor o Alentejo tem para oferecer.

Entre São Luís e Odemira, bem escondido no interior alentejano, encontra-se um lugar de beleza extrema: o Pego das Pias. Esta praia fluvial, única e sem intervenção humana, é uma das maiores atrações da região. É um local isolado e ideal para amantes da natureza. Seguimos a N120 em direção a São Luis e deixamos o carro num parque improvisado a seguir à ponte sobre a ribeira do Torgal. Continuamos a pé pelo caminho de terra batida à esquerda. Estava um calor abrasador e não tínhamos a certeza de que estávamos a ir pelo caminho certo, mas continuamos sempre em frente até encontrar água – e pessoas. Apesar de não ser propriamente um segredo, o Pego das Pias é pouco conhecido. Encontrámos 2 ou 3 pequenos grupos a acampar e a desfrutar daquele ambiente pacato em plena harmonia com a natureza. São pouco mais de 2 km até este pequeno paraíso alentejano. A ribeira tem várias piscinas naturais esculpidas entre as rochas, onde é possível mergulhar. Subimos até ao ponto mais alto nas rochas, mas acabamos por mergulhar mais meio da ribeira. A água é fresca (e não fria), o que foi óptimo para refrescar dos 38º que estavam à torreira do sol. Já perto do final do dia, deixamos o Pego das Pias para trás e fazemos o caminho inverso de regresso ao carro. O caminho segue de volta à costa e em direção à Zambujeira do Mar, o poiso para a terceira noite.

Pego das Pias

Já na Zambujeira do Mar, aproveitamos os últimos raios de sol para mergulhar nas águas de ondulação forte da Praia da Zambujeira do Mar. A praia está rodeada por falésias altas, que fazem com que as vistas panorâmica do topo sejam do que de melhor temos na Costa Alentejana.

Já de noite seguimos, voltamos para trás e regressamos a Vila Nova de Mil Fontes para jantar na Tasca do Celso. Afinal, esta tasca – que nada tem de tasca – é o destino de excelência para quem procurar boa comida e é uma paragem obrigatória para quem frequenta a região. Entre a comida tradicional alentejana, os petiscos, as carnes e o peixe e marisco fresco, não há por onde errar. Petiscámos uma salada de polvo e lulinhas fritas, e um arroz de amêijoa para finalizar. Depois de jantar, regressamos à Zambujeira, que é igualmente incrível à noite com o céu estrelado e a lua no horizonte.

De Vila Nova de Mil Fontes à Zambujeira do Mar: Vila Nova de Mil Fontes – Praia da Furnas – Praia de Almograve – Porto de Pesca de Lapa de Pombas – Almograve – Odemira – Pego das Pias – Praia da Zambujeira do Mar


DESCOBRE PORTUGAL

portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.