Memórias de ViagemTwo Feet on the Ground

Yogyakarta, a alma da Indonésia

A Indonésia carrega o título de maior arquipélago do mundo. Localizado entre os oceanos Índico e Pacífico, é o país com mais ilhas no mundo – são 17.508 no total. Nesta imensidão, convive uma diversidade de povos e culturas sem igual. Muçulmanos, budistas, hindus, cristãos e tantas outras comunidades étnicas crentes em deuses e tribos ancestrais. Além da multiplicidade cultural, a Indonésia tem uma das vidas marinhas mais ricas do planeta e uma diversidade natural que vai desde lagoas e cascatas perdidas no meio da densa vegetação a vulcões adormecidos e florestas intocadas com espécies únicas no Mundo.

Para muitos, uma viagem à Indonésia começa em Bali, mas os encantos do país vão além da ilha dos deuses. Em alternativa, a movimentada ilha de Java é um excelente ponto de partida para explorar as maravilhas desta terra. Java é a principal ilha da Indonésia e a mais populosa do território indonésio – tem mais de 141 milhões de habitantes (mais de metade da população do país) . É aqui que encontra a capital da Indonésia, Jakarta – a cidade mais populosa do Sudoeste Asiático, com mais de 10 milhões de habitante. E se Jakarta é a centro político, económico e financeiro do país, Yogyakarta é a alma artística e cultural da Indonésia.

Yogyakarta (ou Jogjakarta), também carinhosamente tratada por Jogja ou Yogya pelos locais, desempenha um importante papel no cenário da cultura javanesa. Situada na província de Java Central, é o grande centro de arte, artesanato, música, poesia, teatro de marionetes javanesa. Desde a produção de tecidos em batik, ao wayang e outras artes tradicionais, Yogyakarta é a capital criativa e intelectual do país. Yogyakarta é também conhecida como a cidade dos sultões. Yogya é hoje a única região da Indonésia que ainda é governada por um sultão. Marcos desta monarquia são o o Kraton e o Taman Sari. Nos arredores de Yogyakarta encontram-se dois templos imperdíveis: Borobudur e Prambanan. A par de todo o encanto e riqueza cultural de Yogyakarta, a proximidade a estes templos faz com que seja muito apetecível. A experiência mais gratificante de Yogyakarta é a de passear sem rumo pela cidade, deambulando pelas suas ruas cheias de vida, arte e cultura inesgotável.

Kraton

O Kraton (Karaton Ngayogyakarta Hadiningrat) é o palácio do sultão de Yogyakarta. Atualmente, é também um museu-vivo da história e tradição da cidade. É um mais carismáticos exemplos da arquitetura javanesa, onde cada detalhe tem um significado simbólico. Localizado bem no coração do centro histórico de Yogyakarta está virado para o majestoso vulcão Merapi, a norte, e o oceano Índico, a sul. Além de continuar a ser a residência do sultão de Yogyakarta, complexo é também composto por lojas, mercados, escolas e mesquitas. Mais de 25 mil pessoas vivem no seu interior. É possível visitar o Kraton, e com sorte até ver o sultão, mas apenas durante a parte da manhã durante os dias úteis.

Jalan Malioboro

A Malioboro Street é a principal artéria de Yogyakarta e o local ideal para fazer compras na cidade javanesa. Trata-se de uma enorme avenida no coração da cidade que está viva durante todo o dia. Desde pequenos vendedores de street food, a pequenos mercados e lojas de arte, roupa e souvenirs locais, é possível encontrar de tudo um pouco em Malioboro. Uma das melhores maneiras de conhecer Yogyakarta é caminhar a pé por esta avenida. Começa no Not Kilometer (Jogja 0 km), continua para norte, e vai descobrindo o que a cidade tem para oferecer.

Water Palace (Taman Sari)

O Taman Sari, o castelo de água de Yogyakarta, é um conjunto de palácios, piscinas e lagos artificiais construídos para usufruto do sultão e da família real. Idealizado por um arquiteto português tem estilo que combina o melhor da arquitetura javanesa com a do ocidente. Foi construído em 1765 para servir diversos propósitos: relaxar, meditar. Entre as estruturas mais notáveis destacam-se a mesquista (Sumur Gumuling) e o forte subterrâneos, ligados entre eles, e resto do complexo, por túneis subterrâneos. Depois de ter sido destruído pela guerra e desastres naturais, foi mais tarde reconstruído, em parte, no sentido de recuperar o seu antigo esplendor. Hoje em dia, a área envolvente ao complexo é uma área habitacional com cerca de 3.000 habitantes e pequenas lojas de comércio e artesanto local.

Banyan Trees

Duas árvores gémeas, paralelas entre si, que tornam os sonhos realizados. É assim que se descrevem as gigantescas árvores Banyan localizadas no coração de Yogya. Reza a lenda, e sabedoria popular, que quem conseguir passar entre estas 2 árvores de olhos vendados, vê todos os seus desejos concretizados. Independentemente de se acreditar ou não em tais lendas, a sua grandeza ser impressionante. No jardim à sua volta é possível ver a população de Yogyakarta a passear, praticar deporto, conviver ou a relaxar.

Borobudur

Borobudur é o maior templo budista do mundo. Após o declínio do budismo e a mudança de governantes na ilha de Java, o monumento foi abandonado. Ficou esquecido durante séculos, parcialmente enterrado por camadas de cinza vulcânica. Esteve perdido no meio da selva de Java central durante anos e foi apenas re-descoberto em 1814 pelos ingleses. Erguido durante os anos VIII e IX, Borobudur foi formado a partir de uma base piramidal com 123 metros de cada lado. Ergue-se em 5 terraços quadrados com estrutura com 3 níveis em forma de cone no topo e repleta de estupas. Apesar do seu estatuto de atração turística, Borobudur continua a ser um local de culto visitado por milhões de budistas de todo o mundo, que fazem deste um destino sagrado.

Prambanan

É o maior templo hindu da Indonésia e o maior complexo de templos Shiva do país. É composto por 5 complexos de templos principais – Prambanan (Loro Jonggrang), Sewu , Bubrah, Asu e Lumbung – e mais 500 outros templos mais pequenos. O próprio Prambanan é, só ele, composto por 240 pequenos templos, e 47 metros de altura. Os três principais santuários são dedicados aos três deuses hindus: Brahma, o Criador; Vishnu, o Guardião, e Shiva, o Destruidor.

> Visitar Borobudur + Prambanan: a melhor forma de visitar estes 2 templos é através de uma tour conjunta, com transporte incluido. O custo de uma tour deste género ronda os 35 euros por pessoa, .

LER: Yogyakarta, a alma cultural de Java