Memórias de Viagem

Kandy – Ella, uma das mais incríveis viagens de comboio do mundo é no Sri Lanka

Uma das mais cénicas viagens de comboio do mundo. É assim que frequentemente descrita a viagem de comboio de 7 horas entre Kandy e Ella. Viajar de comboio pelo Sri Lanka é uma das formas mais autênticas de conhecer esta pequena ilha resplandecente. É possível fazer outros percursos, mas a viagem entre Kandy e Ella é “a” viagem a fazer no Sri Lanka. Considerada por muitos uma das mais bonitas viagens de comboio do mundo, esta é sem dúvida uma viagem a não perder. Os comboios não são luxuosos, nem o último grito da tecnologia ferroviária. São antes cheios de cheiros, sons e sabores de um Sri Lanka autêntico – e, cada vez mais, de estrangeiros curiosos. Viajar de comboio pelo Sri Lanka é muito mais que apenas isso, é uma experiência cultural incomparável.

Tal como acontece com muitos caminhos de ferro pelo mundo, a rede ferroviária do Sri Lanka foi inicialmente construída pelo governo colonial britânico, em 1864. Foi originalmente construída para transportar café e chá das plantações no Country Hill até à capital Colombo. São quilómetros e quilómetros de linhas férreas, onde os comboios serpenteiam pelas colinas verdejantes cobertas por plantações de chá, a natureza no seu estado mais puro, e paisagens de cortar a respiração. Os famosos blue trains – comboio azul do Sri Lanka – foram introduzidos em 2012 e são uns comboios modernos (q.b) construídos na China que fazem o percurso para a região montanhosa do Sri Lanka. Há também os comboios vermelhos, mais antigos e de aspeto mais colonial que são igualmente pitorescos.

Viagem de Kandy até Nuwara Eliya

Em Kandy, saímos cedo do hotel e fomos até à estação para tentar comprar bilhetes do comboio que partia às 8:47 com destino a Ella (e conseguimos). Comprámos os bilhetes para a 2ª classe com lugares não reservados – na bilheteira, disseram-nos que eram os únicos disponíveis onde nos podíamos sentar.

A aventura começa assim que se vê, ao longe, o comboio a entrar na plataforma. Seguimos o exemplo das restantes pessoas, e corremos para conseguir entrar e encontrar o melhor lugar para nos sentarmos. O povo cingalês é um povo extremamente simpático, afável e educado – excepto quando está a tentar apanhar o comboio. Não que sejam rudes ou mal-educados, mas é preciso fazer o necessário para ficar com o melhor lugar. Neste momento, tens de esquecer o conceito de “espaço próprio” e de “não empurrar”. Há que manter o corpo firme, cotovelos para fora e, respeitosamente, “forçar” a entrada no comboio. Nós, no meio da confusão, acabámos por entrar numa carruagem da 3ª classe. Pelo menos, não ficámos na linha a ver, literalmente, os comboios passar.

Com a rapidez com que chega a Kandy, o comboio inicia a partida rumo ao seu destino. Passado algum tempo, a confusão inicial abranda e conseguimos passar para a carruagem seguinte. Havia bastantes lugares sentados e conseguimos sentar-nos, partilhando os lugares com um casal francês. À medida que o comboio vai percorrendo os primeiros quilómetros daquelas linhas coloniais, e se vai afastando de Kandy, começamos a absorver o ambiente que nos rodeia. Olhamos à nossa volta e percebemos que a grande maioria dos passageiros da carruagem são habitantes cingaleses. Homens e mulheres a irem para o trabalho, mulheres com crianças ao colo e sacos de compras nos braços e crianças fardadas a caminho da escola. Homens, mulheres e crianças compenetrados na sua habitual rotina diária. As ventoinhas ajudam o ar (quente) vindo do exterior a circular, e espalham a mistura de cheiros intensos pela carruagem. É que durante a viagem vão aparecendo ocasionalmente vendedores de comida. Arriscámos a sorte e comprámos rotis e samosas para o caminho. Dizem que a sorte protege os audazes, e assim foi.

Já a viagem ia a meio quando nos apercebemos que tínhamos estado a viajar na carruagem errada. Apesar de nos termos conseguido sentar, estávamos a viajar nas carruagens de 3ª classe com lugares reservados. Descobrimos que havia lugares disponíveis num terceiro tipo de carruagem, mais confortáveis, e decidimos ir até lá. Só nesse momento percebemos a diferença dos bilhetes e que os nossos bilhetes eram para a 2ª classe, sem lugares reservados – pelo menos, o fiscal não reclamou quando veio ver os nossos bilhetes. Seguimos então o resto da viagem no nosso devido lugar. Na verdade, grande parte da restante viagem foi feita nas portas das carruagens, quando as apanhávamos mais vazias. É que ninguém – nem turistas, nem locais – querem perder pitada da paisagem que os rodeia.

O comboio vai parando em várias estações, numas para a entrada e saída de passageiros, noutras apenas à espera que passe outro comboio para nos dar lugar na linha. Esperamos várias vezes, pacientemente, até que a viagem prossegue até à paragem seguinte. Um pouco por todo o caminho, mesmo à nossa frente, uma imensidão verde exuberante. Ocasionalmente, pequenos pontos de cores vibrantes embelezam a paisagem – são os saris coloridos das mulheres cingalesas que vão mantendo viva a famosa indústria de chá do país.

A nossa última paragem não foi Ella, o destino final do comboio, nas sim Nanuoya. A maior parte das pessoas faz o trajeto até Ella, mas nós saímos em Nanuoya – a estação mais próxima do Country Hill – para visitar região das plantações de chá em Nuwara Eliya. A viagem até Nanuoya é mais curta, e demora cerca de 4 a 5 horas. Se continuares o percurso até Ella, o comboio segue para Este e passa pela ponte Nine Arches Bridge. Uma outra opção nesta viagem de comboio no Sri Lanka é partir de Colombo e fazer o percurso Colombo – Kandy – Badulla, que também passa pela plantações de chá do Country Hill.

Bilhetes de comboio de Kandy para Ella

Tipicamente um comboio no Sri Lanka está dividido em três classes: 1ª, 2ª 2 3ª classe. Na 2ª e 3ª classes há ainda diferentes tipos de carruagens: as carruagens com lugares com reserva e com lugares sem reserva – na 1ª classe os lugares são sempre reservados. Os lugares com reserva podem ser comprados com alguma antecedência, mas esgotam muito rapidamente – principalmente os da 1ª classe. Os lugares sem reserva são apenas adquiridos no dia da viagem na estação de partida e nunca esgotam. Se, ao comprares os bilhetes, te disseram que estão esgotados provavelmente é porque assumem que como és turista preferes viajar com lugar reservado. Cabe-te a ti decidir onde preferes fazer a viagem de comboio. Se recostado no teu confortável lugar reservado, juntamente com os locais, de cabeça fora da janela ou pendurado nas escadas entre carruagens. Com a descrição da viagem em cima, e o detalhe dos bilhetes em baixo, espero conseguir ajudar-te a tomar a decisão de qual o bilhete mais indicado para ti.

Primeira Classe: a 1ª classe tem ar condicionado, lugares reservados, assentos almofadados e espaçosos. Não se pode abrir as janelas, e é ideal para quem quer fazer uma viagem sossegada. Há alguns comboios que têm ainda um Observation Deck, com janelas mais largas para permitir ver melhor a paisagem.

Segunda classe: a segunda classe tem assentos almofadados, não tem ar condicionado, mas as janelas estão sempre abertas e há ventoinhas no tecto que ajudam o ar a circular. Há carruagens com lugares com e sem reserva, sendo que se viajares sem lugar reservado podes nem sempre ter a sorte de encontrar lugar para te sentares durante toda a viagem – e é uma viagem longa.

Terceira classe Na 3ª classe é onde a diferença dos bilhetes com e sem reserva nesta classe é maior. Enquanto que as carruagens com lugares reservados existem mais lugares sentados disponíveis e estes são almofadados, na outra carruagem os lugares sentados não são almofadados, são muito poucos e o restante espaço existente é para viajar em pé. Os bilhetes na 3ª classe sem lugares reservados são muito baratos e é onde a maior parte dos cingaleses viaja.

Na minha opinião, o melhor lugar é, sem dúvida, na porta aberta entre carruagens, com os pés a balançar, o cabelo ao vento e a saborear a paisagem. Como não há bilhetes à venda para estes lugares (com elevada procura), aconselho-te a comprar os bilhetes de 3ª classe com reserva de lugar, caso queiras ter uma experiência mais autêntica. Ou os de 2ª classe sem reserva, já que não requerem tanto planeamento e podes sempre optar por saltitar entre a tua carruagem, as portas abertas e a 3ª classe onde viajam a grande parte dos cingaleses. Além disso, os bilhetes sem lugar reservado são extremamente baratos – entre 2 a 3 euros para este percurso. Independentemente dos local onde escolheres viajar, uma coisa é garantida: vais conseguir apreciar a paisagem exterior e apreciar esta viagem sem igual.

▷ DICA: ao fazer esta viagem de comboio no Sri Lanka, com o percurso Kandy-Ella, tenta sentar-te do lado lado direito do comboio pois é aquele que te oferece uma visão aberta para a paisagem que vais encontrando pelo caminho.

LER: Sri Lanka, um destino improvável que se tornou uma surpresa inesquecível


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.