Guias de ViagemRoteiro de ViagemTwo Feet on the Ground

ROTEIRO DE VIAGEM | Itália

Dia 1 – Florença

Chegamos ao aeroporto de Roma a meio da manhã e levantamos o Fiat 500 que nos vai guiar durante as próximas 2 semanas pelas estradas italianas. A primeira paragem é Florença, o berço do movimento artístico e arquitetónico renascentista. Passamos a tarde a deambular pelas ruas de Florença, e é fácil perceber a riqueza que esta abriga. Terminamos a tarde na margem do rio Sarno junto à Ponte S. Niccolò, enquanto o sol põe no horizonte. Atravessamos o rio e ao jantar deliciamo-nos na esplanada da Enoteca Fiori Porta com verdadeiros sabores italianos.

Dia 2 – Florença

Deixamos o carro no hotel, que fica a uns quilómetros do centro de Florença, e apanhamos o autocarro até ao centro da cidade. Durante a manhã, visitámos o Il Duomo, Cattedrale di Santa Maria del Fiore, o Battistero di San Giovanni e o Campanário de Giotto. Fizemos uma paragem para almoçar umas sandes típicas e seguimos até ao Museo dell’Opera del Duomo e Battistero di San Giovanni. Caminhamos até à Piazza della Signoria, que tem como a sua principal atração o Palazzo Vecchio com a Fontana del Nettuno a seus pés. Ali encontramos também as réplicas das estátuas de David de Michelangelo e Marzocco de Donatello. Caminhando pelas ruelas circundantes até encontrar a casa de Dante Alighieri, o autor da obra Divina Comédia. Florença tem 7 pontes que atravessam o rio Arno, e a mais famosa é a Ponte Vecchio, para onde caminhos de seguida. No caminho até à margem do rio, passamos pela Piazza della RepubblicaMercato del Porcellino e Palazzo Pizzi. Atravessamos a ponte para a outra margem e aproveitamos para uma pausa e para um gelato. Regressamos já de noite ao hotel, onde jantamos uma pizza que comprámos numa pizzeria pelo caminho.

Dia 3 – Florença

O dia começa do lado oposto do rio Arno, onde se situa a Piazzale Michelangelo e o Palazzo Pitti. Deste lado a vista panorâmica para Florença é absolutamente majestosa. Seguimos até aos Giardino Bardini Giardino di Boboli, onde . Apesar do calor, aproveitamos as sombras naturais das centenas de árvores para refrescar. Chegamos ao Palazzo Pitti, a maior e mais majestosa residência de Florença. Regressamos ao hotel ao final da tarde e seguimos viagem até Serenella, uma pequena vila perdida no meio das montanhas junto ao Parco Nazionale delle Cinque Terre. Saimos para jantar em La Spezia. De regresso ao apartamento, o caminho sinuoso por entre as árvores, encosta acima, é iluminado inteiramente pelo luar.

➳ LER: Florença, um museu de arte a céu aberto

Dia 4 – Cinque Terre

Começamos o dia a tomar o pequeno-almoço com vista para as montanhas. Saímos até La Spezia, onde deixamos o carro e apanhamos o comboio até à primeira das Cinque Terre: Riomaggiore. Seguem-se Manarola, Cornigla, Vernazza e Monterosso al Mare – as cinco aldeias piscatórias que formam o Parque Nationalle de Cinque Terre. O dia foi passado a visitar cada uma das cinco aldeias, explorando o melhor que cada uma delas tem para oferecer. Estas povoações suspensas entre a terra e o mar são pequenas vilas de pescadores e agricultores, com portos secretos, casas coloridas e vinhas cultivadas nas encostas das montanhas. Terminamos o dia a ver o pôr-do-sol em Monterosso, onde já de noite apanhamos o comboio de regresso para La Spezia.

➳ LER: Cinque Terre, as pitorescas vilas da costa italiana

Dia 5 – Portofino e San Fruttuoso

Saimos do apartamento em direção a La Spezia, apenas para fazer um pequeno desvio no caminho, e seguimos em direção a Sestri Levante. O dia é dedicado inteiramente a explorar por mar a da Riviera Italiana, com paragens em San Fruttuoso e Portofino. San Fruttuoso é uma pequena vila com uma baía absolutamente paraísiaca, onde no fundo do mar se encontra o Cristo degli Abissi. Subimos até Igreja de San Fruttuoso, antes de mergulhar nas águas cristalinas da baía e voltar ao barco. Continuamos viagem com vista para a e aportamos em Portofino. Esta pequena e encantadora vila de pescadores foi transformada num verdadeiro destino de luxo da Riviera Italiana . Comemos um gelado enquanto passeamos pelas ruas da pequena vila. No caminho de barco de regresso, vemos o sol a pôr-se por trás da costa da Línguria. Jantamos no apartamento uns petiscos italianos que comprámos na viagem até Serenella.

➳ LER: San Fruttuoso, Portofino e a incrível Riviera italiana

Dia 6 – Lucca, Pisa e Tavernelle

Deixamos Serenella bem cedo em direção a Lucca. Passamos as muralhas que cercam a cidade e perdemo-nos de imediato nos encantos desta cidade histórica. Seguimos pela Via Fillungo, a principal rua da cidade, que atravessa todo o centro históricoe nos leva até à Basillica de San Frediano e à Piazza dell’Anfiteatro. Segue-se a Torre Guinigi,  o Duomo di San Martino e o Palazzo Ducele di LuccaParamos na Piazza de San Michele, o coração da cidade e se encontrase a igreja San Michele in ForoDepois de um almoço tardio e de um gelatto artesanal, continuamos à derivida pelas ruas medievais de Lucca. De regresso ao carro, seguimos em direção a Tavernelle de Piazza, uma aldeia toscana onde ficamos nessa noite. Pelo caminho, paramos em Pisa para uma pausa e para a fotografia da praxe junto à Torre de Pisa. Damos uma volta pela zona e ainda espreitamos a Cattedrale di Pisa, Piazza del Duomo e o Batistero di Pisa antes de continuar viagem. Já em Tavernelle, jantamos uma Bisteca alla Florentina num restaurante local e terminamos a noite na festa da aldeia.

➳ LER: Lucca, Pisa e Tavernelle, no regresso à Toscana

Dia 7 – Greve in Chianti, San Giminiano e Siena

Acordar sob o sol da Toscana tem um encanto especial. Saimos cedo em direção a Greve in Chianti, uma pequena cidade no meio das planícies. Entre subidas e descidas de estradas serpentinas a paisagem de fundo é absolutamente fenomenal. As grandes planícies constrastam na perfeição sob as pequenas vilas no topo das colinas, enquanto os campos coloridos e as árvores cipreste-italiano aguçam a paisagem. Antes de dar um passeio pelo centro histórico de Greve in Chianti, fazemos uma prova de vinhos italianos na maior loja de vinhos da Toscana. Segue-se uma breve paragem em Volpaia, uma minúscula vila medieval de ruas estreitas, casas de pedra e portas e janelas de madeira, com uma vista incrível para as planíces da região. Continuamos caminho e perto do final do dia chegamos à “cidade das torres bonitas”. Estamos em San Gimignano, uma das mais conhecidas e pitorescas cidades da Toscana. O jantar tardio é feito num largo  . Antes de regressar à nossa vila toscana damos uma volta pelo passando pela Piazza del CampoPalazzo Comunale e a Fonte Gaia.

Dia 8 – Siena

Entramos dentro das muralhas de Siena junto à Basilica di San Francesco e vamos explorando este lado da cidade. Seguimos caminho pelas ruas apertadas e de tons avermelhados até ao Santuario Casa di S. Caterina e Basilica San Domenico. Regressamos à Piazza del Campo, agora durante o dia. Esta majestosa praça conhecida em todo o mundo pelo Palio delle Contrade, uma histórica corrida de cavalos em redor da praça que acontece por duas vezes por ano. Entre inúmeras paragens pelos seus encantadores edifícios históricos, seguimos até ao Duomo di Siena e Battistero Di San Giovanni. A nossa passagem por Siena termina ao ínicio da tarde, já que temos um longo caminho pela frente até Pompeia. 5 horas depois, estamos a jantar num restaurante típico no coração de Pompeia.

➳ LER: Siena, San Gimignano e as planícies de Chianti

Dia 9 – Pompeia

Acordamos cedo e seguimos a pé em direção às famosas ruínas da cidade antiga de Pompeia. Pelo caminho passamos pelo centro da cidade, onde se situa o Santuario della Beata Vergine del Rosario. A visita começou junto ao grandioso anfiteatro, que outrora serviu de palco para combates entre gladiadores. Entre as suas longas ruas é possível encontrar o que resta de templos, casas, termas, bares, anfiteatros e até um bordel que sobreviveram à catastrofe. Ao longe, é possível ver o imponente Monte Vesúvio, um dos mais incríveis e mais temidos vulcões da Europa. O calor era avassalador e terminamos a visita a meio da tarde. No regresso a pé até ao apartamento aproveitamos para conhecer um pouco mais a cidade. Saimos para jantar no centro de Pompeia num pizzeiria bastante caseira.

➳ LER: Pompeia, a cidade que o Vesúvio fez esquecer

Dia 10 – Nápoles

Partimos cedo de combio para Nápoles. Do comboio, ao longe a vista panorâmica para o Vesúvio enalteve a paisagem. Da estação Central de Nápoles, na Praça Garibaldi, caminhamos pelas ruas de Nápoles até . Almoçamos na Pizzeria Brandi, que reclama os títulos de “pizzeria mais antiga do mundo” ou “pizzaria onde foi inventada a pizza”. Segumos pela Via Toledo, uma das maiores ruas de Nápoles. Seguem-se a Chiesa del Gesù Nuovo, Monastero Santa Chiara e o Monastero Santa ChiaraContinuamos caminho pelas ruelas de Nápoles, que são como um labirinto: estreitas, quase sombrias e cheias de gente. No ar sente-se com um cheirinho a “Camorra”, a máfia napolitana. Ao final da tarde, regressamos a Pompeia e saimos na estação Villa di Misteri. Fazemos o resto do caminho a pé até ao apartamento, onde jantamos uns petiscos italianos que compramos pelo caminho.

➳ LER: Nápoles, a estranha cidade da máfia italiana

Dia 11 – Costa Amalfitana: Salerno, Amalfi e Positano

O dia é dedicado a conhecer algumas das localidades mais importantes desta famosa península entre os golfos de Nápoles e Salerno. Apanhamos o autocarro cedo até Salerno. Segue-se uma viagem de barco até Amalfi, a primeira paragem do dia. A viagem pelo mar permite destrufar, ao longo de todo o percuso, da beleza natural da glamourosa e impressionante Costa Amalfitana. Ao longe, um vislumbre da fotogénica estrada panorâmica que corre paralela à costa e que esconde paisagens incríveis a cada curva. Passeamos entre as ruas estreitas de Amalfi até chegar ao topo à Cattedrale di Sant’Andrea Apostolo. Já de tarde, seguimos novamente por mar até Positano, considerada a “Pérola da Costa Amalfitana”. Depois de percorrer as ruas estreitas e em tons de pastel daquela vila situada numa inclinação que desafia as leis da física, acabamos o dia a mergulhar nas suas águas quentes e cristalinas, enquanto o sol se põe através das colinas pitorescas. Voltamos a fazer-nos ao mar, já de regresso a Sorrento, onde já de noite apanhamos o autocarro de volta a Pompeia. Jantamos num dos restaurantes na praça principal da cidade.

➳ LER: Costa Amalfitana, pequeno paraíso a sul de Nápoles

Dia 12 – Capri

Apanhámos o comboio bem cedo até Sorrento. À chegada encontramos uma cidade com uma localizaçao priveligiada como que de um terraço natural sobre o mar se tratasse. Do alto, Sorrento olha orgulhosamente para o golfo de Nápoles, o Vesúvio e a ilha de Capri. A próxima paragem é precisamente a incrível e exclusiva Capri, o verdadeiro sentido de “il doce fare niente“. Depois de desembarcarmos na Marina Grande, partimos novamente para uma aventura no mar. Passamos as horas seguinte a passear de barco à volta da ilha, com curtas paragens em Villa Jovis, Grotta Bianca, Arco Naturale, I Faraglioni, Marina Piccola, Grotta Verde, Punta Carena e Grotta Azzurra. Na Grotta Azzurra mudamos para um barco mais pequeno e entramos no interior da gruta, onde mergulhamos no azul profundo ao som de “Oh Sole Mio” que ecoa no seu interior. De volta a terra, seguimos a pé até ao coração da ilha: a Piazzetta, rodeada pela Torre dell’Orologio e a Chiesa di Santo Stefano. Regressamos a Pompeia ao cair da noite e jantamos no apartamento, depois de fazer as malas.

➳ LER: Capri, todo o charme italiano no seu esplendor

Dia 13 – Roma

Saimos de Pompeia ainda cedo e seguimos estrada acima até Roma. Devolvemos o carro alugado e temos ainda a tarde toda para aproveitar para explorar a capital italiana. Seguimos até à Piazza della Republica e depois pela longa Via Nazionale até chegar à zona arqueológica onde fica o Colosseo, o Fórum Romano e o Monte Palatino. Almoçamos uma fatia de pizza nas escadas de um prédio de fachada romana e seguimos até à popular Fontana di Trevi. Nova pausa, agora para um gelatto. Regressamos à zona arqueológica e a tarde é passada a visitar 3 dos marcos históricos mais importantes da história de Roma. Jantamos num argentino-italiano surpreendente, e terminamos o dia com um passeio a pé de regresso ao hotel.

Dia 15 – Roma

Na estação de Termini apanhamos o metro até à cidade do Vaticano. Depois de percorrermos as ruas desta cidade-estado, chegamos à Piazza di San Pietro. Ao fundo, a majestosa e imponente Basilica di San Pietro, que visitamos de seguida. Almoço tardio e continuamos o passeio a pé, agora de regresso às ruas de Roma. Pausa técnica no Giolitti, uma das mais antigas e conhecidas gelatarias e pastelarias da cidade, para o gelatto do dia. Terminamos a tarde no alto da escadaria Piazza de Spagna, ao mesmo tempo que a noite cai. Continuamos a vaguear pelas ruas de Roma e a descobrir os seus rescantos. Jantamos numa das mais famosas pizzerias de Roma, a Pizzeria da Baffeto, situada perto da Piazza Navona. Ainda é tempo de dar mais umas voltas pelas ruas enigmáticas de Roma, que é igualmente encantadora durante a noite.

Dia 14 – Roma

Arriverdeci, bella Italia. Hoje despedimo-nos de Itália e regressamos a Lisboa ao final da noite. O dia começa cedo, para aproveitar ao máximo o tempo. Visitamos o Campo di Fiori pela fresca, a Piazza Navona e a área envolvente. O resto do dia é passado a explorar Roma pelas suas pitorescas ruas, parando em cada esquina para levar um pouco de Itália connosco. Almoçamos o melhor risotto de toda a viagem no Ristorante Donati, perto de Termini. Continuamos o passeio tarde dentro. Perto do final do dia, seguimos até ao aeroporto para o voo para Lisboa.

➳ LER: Roma, a eterna capital italiana