Guias de Viagem

GUIA DE VIAGEM | Singapura

De uma ilha de pescadores a um dos epicentros do desenvolvimento asiático, assim é Singapura. 

Singapura é uma cidade-estado localizada a o sul da Península da Malásia e composta por 63 pequenas ilhas. Foi a sua localização estratégica que levou à construção de um porto na ilha por parte do empresário inglês Stamford Raffles – o que marcou o inicio da sua história moderna e que fez com que o país se tornasse um dos principais portos comerciais da Ásia e do mundo. Desde a sua independência em 1965, que Singapura começou a trilhar um caminho de modernização e desenvolvimento, que a fez crescer economicamente e tornar-se numa das maiores, mais desenvolvidas e impressionantes do mundo.

É uma cidade extremamente desenvolvida, organizada, segura e limpa – há quem a considere como Nova Iorque asiática. Por se tratar de um dos maiores centros financeiros de toda a Ásia, Singapura é um destino essencialmente de negócios, mas pela sua localização é também uma excelente base de partida ou chegada para viagens pelo Sudoeste Asiático. E vale uma paragem para conhecer esta metropole cosmopolita e o seu universo multicultural. Ali tudo parece ter sido pensado e desenhado ao pormenor.

Mas, para lá dos arranha-céus, há muito mais de Singapura por descobrir. E essa Singapura que vale a pena explorar. Entre o urbanismo projectado até ao mais infimo detalhe, a limpeza quase maníaca e multiculturalismo, Singapura é certamente uma das cidades mais originais e intrigantes do planeta.

O QUE FAZER? O QUE VISITAR? 

Singapura é berço de uma incrível diversidade cultural. Chineses, malaios e indianos constituem parte da cultura da cidade-estado. A possibilidade de interagir com pessoas diferentes e respirar a imensa diversidade cultural nos seus bairros típicos fazem parte do encanto de Singapura, que vai para além dos arranha-céus que compõe a incrível vista da baía de Singapura.

A conjugação entre o antigo e o moderno; o betão e os jardins verdes; a inovação e o conservadorismo; o passado e o futuro fazem com que Singapura seja uma constante dicotomia em perfeita harmonia.

O skyline e a vista da baía de Singapura

Uma das áreas mais impressionantes é que se situa junto à baía, conhecida por Marina Bay. É nela que se pode aproveitar a vista privilegiada sobre o skyline de Singapura, repleto de edifícios modernos que ao longe desenham o centro financeiro de Singapura. A vista para a baía é também especialmente fascinante à noite, quando a agitação da cidade dá lugar a um espectáculo de luz incomparável. É tmabém aqui que se situa a Ponte Helix, uma das pontes pedonais mais impressionantes do mundo, cuja estrutura sob forma de uma espiral recorda uma molécula de ADN de 280 metros de comprimento.

O que visitar? Gardens by the Bay, Marina Bay Sands Hotel, ArtScience Musuem, Singapore Flyer, Ponte Helix, Merlion Park

Passear pelos jardins suspensos Gardens by the Bay

Localizadas junto à baía, estas estruturas metálicas são habit de milhares e milhares de espécies diferentes, que cobrem a sua estrutura formando uma exuberante . O complexo é composto por 3 jardins (Bay Central Garden, Bay East Garden e Bay South Garden), 2 conservatórios (Flower Dome e Cloud Forest), a ponte suspensa Skyway e as famosas Supertrees, os jardins verticais cobertos de plantas tropicais. O complexto, ainda em crescimento, faz parte de uma estratégia de criar uma cidade num jardim e aspira ao título de pulmão verde futurista da cidade.O resultado é um conjunto encantador de paisagismo e urbanismo. Os jardins suspensos parecem saídos de um conto de fadas, principalmente durante a noite, quando as árvores gigantescas se vestem de luzes coloridas e abrilhantam o céu da cidade.

Marina Bay Sands e a sua desejada piscina infinita

No topo do famoso hotel construído em forma de barco está situada a maior infinity pool do mundo. O gigantesco e luxuoso hotel é formado por 3 torres com 55 andares cada que se unem no seu topo por uma plataforma, o Sands SkyPark. Apesar de ter um miradouro de observação (SkyDeck) no topo das torres com vista sobre a baía acessível a qualquer pessoa, apenas quem está alojado no hotel pode dar um mergulho e nadar a 200 metros de altura.

Merlion: a personificação nacional de Singapura, metade peixe, metade leão

A mascote da cidade, inspirada numa criatura mítica com cabeça de leão e corpo de peixe, mede quase 9 metros e está situada junto à baía. No entanto, existem outras 6 espalhadas pela cidade, à espera de serem descobertas. Este símbolo da cidade-estado representa os primórdios de Singapura, quando esta era uma vila de pescadores.

Singapura Colonial, uma viagem no tempo 

Em 1819, Sir Stamford Raffles fez de Singapura um porto intermédio no comércio internacional, lançando as raízes da Singapura moderna. Por todo o lado, restam vestígios de uma Singapura sob regência britânica. Na margem norte do rio situa-se uma área repleta de edíficios coloniais, marcos históricos e inúmeros vestígios da ocupação inglesa. Dos mais notáveis aos mais antigos, o Parlamento, a Ópera de Singapura e o Victoria Hall, famoso pela sua incrível acústica, o local de desembarque de Raffles ou  Padang, o coração do bairro colonial.

O que visitar? Parliament Houses, Singapore Opera, Victoria Theatre, Concert Hall, Raffles Hotel, The Padang, St. Andrew’s Cathedral, The Supreme Court, The Civilian War Memorial, Singapore Cricket Club, Esplanade Park, Asian Civilizations Museum, Cavenagh Bridge 

Chinatown, o  bairro chinês de Singapura

Não muito distante de Little India situa-se o agitado bairro chinês da cidade: Chinatown. Como em muitas outras cidades do mundo, aqui é possível vivenciar a cultura chinesa, muito presente em Singapura. Entre as coloridas e vividas ruas deste bairro característico sucedem-se as inúmeros hóteis, estabelecimentos comericias, restaurantes e lojas tradicionais – o local ideal para fazer compras e levar recordações de Singapura. No coração de Chinatown ficam situados alguns templos históricos de Singapura, como o Buddha Tooth Relic Temple ou o templo hindu Sri Mariamman Temple. É também em Chinatown que se pode apreciar a comida do único restaurante de rua com uma estrela Michelin, no Hong Kong Soya Sauce. O importante é não deixar de provar as iguarias da gastronomia chinesa.

O que visitar? Buddha Tooth Relic Temple, Sri Mariamman Temple, Thian Hock Keng Temple, Jamae Mosque

Uma pequena India perdida dentro de Singapura

Little India é um dos mais expressivos bairros étnicos de cidade, muito diferente da moderna e cosmopolita Singapura. Entrar neste bairro é como ter uma pequena imersão cultural da India. Os cheiros, a cultura, as pessoas, as ruas, os edifícios, os pormenores arquitectónicos, fazem com que este seja um dos locais a não perder. A não perder é também uma paragem para comer num dos muitos restaurantes indianos aqui localizados. É também aqui que se localizado um centro comercial que funciona 24 horas por dia – Mustafa. Serangoon Road é a principal artéria de Little India,  onde se situa o templo hindu Sri Veeramakaliamman Temple, com o seu oponenete exterior altamente decorado;

O que visitar? Leong San See Temple; Sakya Muni Buddha Gaya; Sri Veeramakaliamman Temple; Sri Srinivasa Perumal Temple; Sri Vadapathira Kaliamman Temple, 

Arab Quarter, onde bate mais forte a rica cultura muçulmana

Depois de passear pela India e China, sem ter saído de Singapura, é altura de conhecer o lado árabe da cidade. Aqui, são as cores vibrantes que ficam na memória, numa área relativamente pequena formada em torno da Mesquita do Sultão, onde se encontra uma Singapura muçulmana. Arab Street é uma autêntica Meca de lojas de tecidos, tapetes, saris, batiks, couro, artesanato e todas as quinquilharias possíveis. É assim desde que os comerciantes muçulmanos se foram instalando nas ruas que rodeiam a mesquita aquando do tratado entre Raffles e o Sultão Hussein Shah. Kampong Glam, o enclave muçulmano de Singapura, é uma mistura de arquitectura colonial e atmosfera de Médio Oriente. É uma área com uma mistura eclética de história, cultura e estilo de vida moderno e descontraído.

O que ver? Sultan Mosque,  Malabar Mosque, Malay Heritage Centre, Haji Lane, Kampong Glam Café e Rumah Makan Minang

Riverside: Clarke Quay e Boat Quay

A região de Riverside é onde fica a maior parte da vida nocturna da cidade. Espalhada entre Clarke Quay, Boat Quay e Robertson Quay é nesta zona que se situam os restaurantes, bares e discotecas mais trendy de Singapura. Onde antigamente atracavam diferentes barcos, hoje situam-se dezenas de restaurantes e bares temáticos. Esta zona é um enorme complexo de entretenimento, que anima os fins de tarde e a noite de Singapura.

Sentosa Island: a diversão do outro lado da baía

“Sentosa” significa “paz e tranquilidade”, em malaio, mas é o oposto que a pequena ilha a sul de Singapura oferece. É aqui que se situa o hollywoodesco parque de diversões Univeral Studios; o S.EA. Aquarium, um dos maiores aquários do mundo e a Tiger Sky Tower, a maior torre de observação da Ásia. A ilha conta também com quilómetros de praias aritificiais de areia branca, como Siloso Tanjong e Palawan. Em Palawan, existe ponte pedonal que nos leva aquele que dizem ser o ponto mais austral da Ásia continental. Ao longe é possível observar o movimentado porto de Singapura, repleto de navios no horizonte.

Sentosa Island: a diversão do outro lado da baía

Assim como Nova Iorque tem a 5th Avenue e Paris os Champs-Élysées, Singapura não fica atrás com a exuberante Orchard Road. A larga avenida com mais de 2 quilómetros é o sítio certo para uma terapêutica sessão de compras. Em poucos lugares do mundo é possível encontar tantos centros comerciais gigantes por metro quadrado. Uns a seguir aos outros e cada um maior que o outro, estão repletos de lojas de marcas internacionais, muitas delas de luxo.

➳ LER: Crónica de Viagem | Singapura, a cosmopolita cidade-estado asiática